Redes Sociais: Indivíduos e seus conjuntos

Por Valeria Bursztein

A partir do texto Social Network Sites: Definition, History, and Scholarship, realizado por Danah M. Boyd e Nicole B. Ellison, e que oferece um a profunda pesquisa sobre as particularidades dos sites de rede sociais, várias questões podem ser pinçadas.

Na definição das autoras sites de redes sociais são serviços baseados na Web que possibilitam aos indivíduos construir perfis públicos ou parcialmente públicos em um sistema, articular uma lista de outros usuários com quem estabelecem contato e compartilham conexões, e visualizar e interferir nas listas de conexões feitas por outros usuários do mesmo sistema.

A diferença desses sites é que permitir a articulação e a visualização das redes dos próprios usuários, integrando, assim, não apenas indivíduos, mas também suas redes próprias sociais. Em uma idéia mais abstrata: trata-se da “socialização do socializado”.

Outro aspecto interessante que o texto aponta é a possibilidade que esses oferecem de recriar uma personalidade ao abrirem a opção (muitas vezes obrigatória) de detalhar ao nível da minúcia o perfil do usuário. É o que as autoras chamam de “type oneself into being”, em referência a Sundén.

Obviamente, essa orientação para o detalhamento de características e preferências não é gratuito. Perfis em sites de relacionamento ditam tendências de consumo de grupos – há de lembrar que as relações já estão definidas nesses sites, o que implica de imediato em algum tipo de comportamento, ambientação ou mesmo passado em comum e que pode ser decodificado a favor das ações de marketing de qualquer empresa que se expressa diretamente ao consumidor final.

Com pouco mais de uma década de existência, os sites de redes sociais viveram uma transformação da tipificação dos contatos entre seus usuários, que passaram de desconhecido-desconhecido para amigo-amigo e abriram possibilidades conceituais e técnicas para absorver a nova demanda pela personalização dos recursos.

Mas é preciso ter em mente que, mesmo que os sites de redes sociais nasçam via de regra como comunidades específicas e cresçam posteriormente para comunidades de comunidades, a organização sempre tem como base o indivíduo/usuário, a partir dos quais qualquer associação é possível.

Anúncios
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: